Desligando a lâmina de endurecimento em óleo ou água?

21 min


156

Desligando a lâmina de endurecimento em óleo ou água?

Desligando a lâmina de endurecimento em óleo ou água?

A escolha entre resfriamento a óleo ou água para extinção de lâminas em um processo de endurecimento depende principalmente do tipo de aço utilizado e das especificações exigidas para a lâmina.

O conhecimento do processo de extinção da lâmina durante o endurecimento é essencial para entender as escolhas e considerações envolvidas na produção de facas e ferramentas de corte.

A seleção entre o uso de óleo ou água como refrigerante é uma decisão crítica que afeta as propriedades finais da lâmina e requer uma avaliação cuidadosa das necessidades específicas do material e da aplicação.

Neste post vamos explorar as razões e critérios por trás da escolha entre óleo e água para têmpera durante a têmpera, bem como as implicações dessa escolha nos resultados desejados, mas também conselhos sobre como realizar o endurecimento feito por fabricantes profissionais.

Ambos os métodos têm suas próprias características e vantagens:

  1. Resfriamento do óleo:
    • Vantagens: O resfriamento do óleo é mais lento do que a água, o que permite um resfriamento mais suave e menor probabilidade de deformação ou rachaduras devido ao choque térmico. É particularmente útil para lâminas mais grossas ou aços de alto carbono.
    • Prejuízos: O resfriamento do óleo pode levar mais tempo, e é possível que o material não atinja a dureza máxima possível em comparação com o uso de água. Além disso, o óleo deve ser cuidadosamente manuseado e pode exigir medidas de segurança adicionais devido ao risco de incêndio.
  2. Resfriamento em água:
    • Vantagens: O resfriamento em água é muito mais rápido do que o óleo, o que pode levar ao aumento da dureza da superfície. É indicado para lâminas finas ou aços com baixo teor de carbono.
    • Prejuízos: A água pode causar um resfriamento muito mais drástico e rápido, o que pode levar à deformação, rachaduras ou até mesmo quebra da lâmina se não for manuseada corretamente. Este método é menos adequado para lâminas grossas ou para algumas ligas de aço.

A escolha depende da aplicação específica e dos resultados desejados. Em muitos casos, é aconselhável realizar ensaios de endurecimento em amostras de teste para determinar qual método de resfriamento produz as propriedades desejadas para a lâmina em questão.

Além disso, é importante seguir os procedimentos de segurança adequados ao trabalhar com óleos ou água quente para têmpera, pois ambos os métodos trazem riscos potenciais.

A fase de desligamento após o temperamento é um momento chave para um endurecimento bem sucedido!

Existem vários tipos de tratamentos de tempero:

  • duro ou comum,
  • vácuo um e
  • temperamento a induzione de indução

Cada um com suas características e aplicações específicas:

  1. Endurecimento de dureza comum: Este é o método mais comum de endurecimento e é frequentemente usado para melhorar a dureza e a resistência ao desgaste de materiais como o aço. Neste processo, o material é aquecido a uma temperatura crítica (geralmente acima da linha de austenita) e posteriormente resfriado rapidamente em água ou óleo. Esse resfriamento rápido “trava” a estrutura cristalina do material em uma forma mais dura, aumentando sua dureza.
  2. Têmpera a vácuo: Este tipo de endurecimento ocorre em um ambiente de vácuo parcial ou livre de ar. O endurecimento a vácuo é frequentemente usado para materiais sensíveis à oxidação ou para peças de trabalho de forma complexa. A principal vantagem deste método é a capacidade de controlar com precisão a taxa de resfriamento, o que pode produzir resultados específicos em termos de dureza e microestrutura.
  3. Endurecimento por indução: O endurecimento por indução envolve o aquecimento do material por meio de campos magnéticos alternados. Este método é conhecido por sua velocidade e eficiência no aquecimento localizado de partes específicas de um objeto, como engrenagens ou eixos. O endurecimento por indução pode ser uma solução eficaz para melhorar a dureza superficial de um componente sem afetar sua parte interna.

Cada tipo de endurecimento tem suas próprias aplicações específicas e é escolhido de acordo com as exigências do material e aplicação.

A seleção do método de endurecimento adequado é essencial para a obtenção das propriedades desejadas no material tratado.

Estes estão entre os mais utilizados, mas claramente se você é um fabricante de facas ou você endurece a faca em empresas especializadas ou você vai realizar o endurecimento da dureza comum com desligamento no óleo ou entre placas de alumínio com ar comprimido.

Hoje também está muito na moda entre os fabricantes de facas de endurecimento criogênico, mas faremos um post específico para esse tipo de tratamento térmico.

A têmpera criogênica é uma etapa adicional no processo de têmpera que envolve o resfriamento do material a temperaturas extremamente baixas, geralmente abaixo de -100 graus Celsius (-148 graus Fahrenheit) usando agentes criogênicos como nitrogênio líquido ou hélio.

Esta etapa de resfriamento a baixas temperaturas segue o endurecimento inicial em óleo ou água e é frequentemente usada para melhorar ainda mais as propriedades do material, como dureza, resistência e estabilidade dimensional.

O endurecimento criogênico oferece vários benefícios, incluindo:

  1. Maior dureza: O resfriamento criogênico pode aumentar ainda mais a dureza do material, tornando o produto final mais resistente ao desgaste e à abrasão.
  2. Estabilidade dimensional melhorada: O endurecimento criogênico pode minimizar a deformação ou distorção do material, melhorando a estabilidade dimensional e mantendo as tolerâncias especificadas.
  3. Redução de tensões internas: O resfriamento criogênico pode ajudar a reduzir as tensões internas que podem se desenvolver durante a têmpera inicial, melhorando a resistência a trincas e fraturas.
  4. Melhoria das propriedades mecânicas: O endurecimento criogênico pode melhorar as propriedades mecânicas do material, como resistência à fadiga e tenacidade.

Este processo é frequentemente usado para lâminas de faca, ferramentas de corte, peças de metal de alto desempenho e componentes de aço inoxidável.

O endurecimento criogênico é uma etapa crítica na produção de materiais de alta qualidade que exigem alto desempenho e durabilidade.

No entanto, é importante ressaltar que o endurecimento criogênico requer equipamentos especializados e controle preciso de temperatura para alcançar os resultados desejados.

 

Em comum, eles têm o resfriamento abrupto que segue a fase de aquecimento e manutenção que ocorre dentro dos fornos que podem ocorrer em:

  • Água;
  • óleo;
  • ar.

o meio de desligamento é encarregado de absorver o mais rápido possível a energia da peça a ser temperada para garantir que estejamos dentro da velocidade crítica superior (a linha vermelha com indicação fria rápida).

Eu pessoalmente utilizo tanto a extinção em óleo refrigerante de alto desempenho como o DURIXOL quanto o método com ar utilizando o procedimento de inserir a lâmina extraída do forno de endurecimento dentro de duas chapas grossas de alumínio e baixar a temperatura rapidamente com ar comprimido.

Considere que hoje existem muitas empresas especializadas em temperar e que ao longo dos anos otimizaram o processo tanto como um ciclo térmico,como um resfriamento e como um achado, bem como, claro, para certificar a dureza alcançada.

Então, mesmo que usemos peles de endurecimento adequadas para facas e cada vez mais atuando em relação à possibilidade de escolher o ciclo térmico correto de acordo com o tipo de aço, todas as fases ainda são feitas em casa!

Mas como endurecer em casa conseguindo ter resultados profissionais?

Porque além de alcançar a dureza correta de acordo com o aço usado há muitas outras características a serem respeitadas.

Hoje muitos fabricantes são endurecidos em casa, mas nos últimos anos também é fácil ver imagens de facas usadas na sobrevivência, mas não apenas onde eles usam técnicas que estressam a faca, como baquear e encontrar-se com uma lâmina quebrada.

Facas devem ser feitas para serem usadas para testes como as grandes empresas fazem!

Desligando a lâmina de endurecimento em óleo ou água? coltellimania.com

 

Agora, além de escolher um aço adequado para os usos certos, você também deve considerar que as lâminas ainda são endurecidas em casa!

É por isso que é importante fazer tudo ao máximo do que você pode fazer com equipamentos caseiros, incluindo a fundação.

Hoje muitos fabricantes não usam mais fornos de cozinha para a fundação porque até mesmo a fundação tem temperaturas diferentes dependendo do tipo de aço.

Em seguida, eles usam dois furnips de endurecimento para poder fazer o achado imediatamente após o resfriamento ou eles esperam o forno usado para o ciclo térmico para atingir a temperatura para o achado.

Aqui já estão aqui como você pode notar também para o achado há duas filosofias:

  • Quem faz o refazer imediatamente após o resfriamento
  • e quem acredita que mesmo fazendo isso depois do expediente ou no dia seguinte não muda nada.

Quem está certo?

Não é fácil responder a essa pergunta!

Ambas as abordagens têm suas razões e vantagens, e a escolha muitas vezes depende das necessidades específicas da aplicação e das características do material.

Aqui está uma breve descrição de ambas as abordagens:

  1. Têmpera imediata após resfriamento: Esta abordagem envolve a têmpera do material imediatamente após o resfriamento da têmpera. As principais razões para fazer isso são:
    • Controle de tensões residuais: Ao aliviar imediatamente após a têmpera, as tensões residuais no material podem ser reduzidas, o que pode ajudar a evitar a deformação ou quebra da peça de trabalho.
    • Melhoria das propriedades mecânicas: A têmpera imediata pode ajudar a melhorar a tenacidade e a resistência do material, proporcionando um equilíbrio ideal entre dureza e resiliência.
  2. Têmpera adiada (após horas ou dias): Alguns profissionais preferem moderar em um momento mais tardio, mesmo depois de várias horas ou dias após a têmpera. As principais razões para fazer isso são:
    • Maior estabilidade dimensional: Após a têmpera, o material pode sofrer alterações dimensionais. A têmpera adiada pode permitir que o material se estabilize completamente antes do processamento ou montagem posterior.
    • Melhor uniformidade: A têmpera adiada pode ajudar a obter uma distribuição mais uniforme das propriedades mecânicas no material, evitando potenciais pontos de tensão ou regiões mais frágeis.

Ambas as abordagens são válidas e podem ser apropriadas dependendo das necessidades específicas do projeto.

A escolha entre têmpera imediata e adiada depende de fatores como o tipo de material, tolerâncias necessárias, geometria da peça e uso final.

Em muitos casos, testes e experimentos são necessários para determinar qual abordagem produz as propriedades desejadas para o material tratado.

Mas voltar ao tema do post de hoje é melhor desligar a lâmina em óleo endurecido ou água?

O petróleo é preferido para falar de viscosidade.

A extinção no óleo é menos drástica porque ser mais denso dissipa o calor da lâmina mais suavemente do que a água e ter um ponto de ebulição mais alto do que a água e não evaporar também é mais “homogêneo”.

É importante aquecer o óleo de primeiro a 70 graus Celsius porque, tornando-se mais fluido, dissipa o calor mais rápido, mas com menos choque térmico.

Isso é importante porque isso reduz muito o risco de rachaduras, distorções de lâminas, etc.

A queda de temperatura é mais suave do que na água.

Se o desligamento ocorrer no petróleo é melhor definir ou mirar em uma temperatura na faixa máxima ditada pelo produtor de aço, enquanto se você quiser desligar na água é melhor ficar no limite mais baixo da temperatura da austenização.

Como exemplo, se tivermos um aço cuja temperatura de aaustenização recomendada pelo fabricante de 790 graus Celsius até 820 graus Celsius, escolheremos uma temperatura de pouco mais de 790 graus Celsius se for desligada na água e a um limite superior de 820 graus Celsius se o desligamento for feito em óleo.

Mas como você pode adivinhar não é fácil verificar essas temperaturas!

Para evitar ainda mais distorções e rachaduras da lâmina, é apropriado depois de completar o áspero e a modelagem da lâmina realizar um tratamento de rerevestimento.

O processo de rerevestimento consiste em trazer a peça além da temperatura de austenização,uma permanência adequada à espessura e tamanho e posterior resfriamento muito lento, no gráfico do CCT na parte superior corresponde à Slow Cool (linha vermelha direita).

Desligando a lâmina de endurecimento em óleo ou água? coltellimania.com

Austenitização é uma transformação da estrutura cristalina dos aços,consistindo em obter no próprio aço uma estrutura austenítica.

Uma vez que a austenita é uma forma cristalina metastável, não pode subsistê-la à temperatura ambiente; austenitização é, portanto, a primeira fase dos tratamentos de:

  • o endurecimento, nesse caso é seguido por um rápido resfriamento, visando congelar a estrutura austenítica e precipitar a lunte ferro-carbono na forma de martensite.
  • respray, quando é seguido por um resfriamento mais ou menos lento, tendia a resolver o austenite em ferrita e cimentado.

Não é fácil porque precisa de certas descidas de temperatura muito amenas, se você não tem um forno com controladores de rampa, isso acaba por ser um processo difícil.

Alternativamente, aqueles que trabalham com a forja deixam a peça no meio das brasas para esfriar lentamente, ou fazem um processo de normalização que é uma espécie de endurecimento, mas sem desligar onde a peça deve ser resfriada em ar calmo.

O uso da água como meio de extinção deve ser evitado porque é um meio muito drástico de resfriamento e é fácil encontrar a lâmina torta (torça a faca) ou quebrá-la.

Os meios de desligar para a água da temperatura ambiente, se mostrado no gráfico anteriormente deve estar dentro da curva da velocidade crítica mais alta, neste caso a inclinação da velocidade de resfriamento é muito drástica.

O problema é gerado pela água por causa de suas características:

  • Capacidade de água térmica. A água tem uma grande capacidade térmica (magnitude física ligada ao calor específico) que precisamente por causa dessa característica consegue “roubar” de nossa lâmina muita energia em pouco tempo.
  • Água de evaporação de temperatura, que é conhecida por ser 100 graus Celsius. O problema surge quando partículas de água em contato com a lâmina evaporam. Neste redemoinho de estado líquido e gasoso, temos descontinuidade da descida da temperatura e zonas heterogêneas. É por isso que temos várias áreas onde a energia é dispersada de forma diferente das outras.

Isso pode causar rachaduras, especialmente nas partes fracas dalâmina,como a bisellation e a área de coleta. Mudar a geometria, a velocidade de comutação e a não homogeneidade da descida da temperatura em vários pontos da lâmina podem causar distorções e rachaduras, se nem mesmo quebrar.

Como eu disse, a escolha do petróleo como meio de extinção tem uma capacidade térmica do óleo que é metade da água e sua temperatura de ebulição é mais duas vezes maior.

Isso permite uma diminuição menos drástica da temperatura e uma maior homogeneidade da distribuição de temperatura na lâmina que teoricamente evita distorções e crettas.

Um segundo fator que pode levar a problemas durante o desligamento é a temperatura muito alta da austenização.

Neste caso, além do problema de encontrar um grande grão cristalino, também temos mais energia para dispersar.

Para ter uma prova objetiva seria necessário uma instrumentação para poder medir seu tamanho, mas você pode fazer um teste visual onde geralmente quando você encontra homogeneidade e uma aparência “grave” isso garante uma certa qualidade do resultado.

endurecimento do óleo

Que óleo usar?

Também é óleo de semente fino ou azeite descartado, mas recomendo que compre de novo se quiser evitar o cheiro de frito.

Um óleo de endurecimento bastante conhecido no setor industrial é o Catrol Iloquench 77 e é um petróleo usado industrialmente para tempero industrial, mas o problema é que esses óleos são vendidos em grandes quantidades (200 litros de óleo temperado).

Tem a característica de:

  • Sendo baixa viscosidade… tão líquido e tendem a escapar da peça endurecida muito rapidamente.
  • Cada tipo de óleo temperado então tem usos especiais, alguns têm baixa presença de enxofre para não estragar certos aços etc…
  • Eles correm para fora (perder suas características) depois de centenas de temperamentos.
  • Eles têm gatilhos de incêndio muito altos.

Mesmo que seja uso de hobby ainda são características que são importantes, mas sendo vendidos em barris você tem que procurar alguém que lhe venda alguns litros.

Se você for a uma empresa especializada, não acho que eles tenham muita dificuldade em vender alguns litros.

Meu conselho é usar óleos de resfriamento de alto desempenho DURIXOL, com efeito de resfriamento muito rápido, eles são caracterizados por um comportamento de resfriamento particularmente intenso.

Desligando a lâmina de endurecimento em óleo ou água? coltellimania.com

Eles são usados principalmente para resfriamento em plantas de ciclo contínuo e fornos de poços com sistemas de resfriamento abertos, bem como para endurecimento em banhos submersos após aquecimento e indução por chama.

Uma vantagem particular é a alta confiabilidade do processo devido à estabilidade superior do produto.

Os óleos têm uma vida útil praticamente ilimitada e exigem um esforço mínimo para monitoramento e cuidados com o banho.

Graças à sua alta resistência à evaporação, baixo nível de viscosidade, baixo consumo específico e excelente limpeza, uma rentabilidade inigualável também é alcançada mesmo nas aplicações mais difíceis, para ser usado também para endurecer aços ferramenta designados como endurecedores de água.

Eu nunca usei azeite, mas sempre produtos especializados, então eu não tenho que dizer se o endurecimento muda substancialmente em comparação com um óleo mais comum, mas suas características são mais adequadas para indústrias com grandes números e são projetadas para isso.

Ps. Meu conselho é procurar os recursos técnicos (folha de dados) do óleo de temperamento superior e, em seguida, procurar características semelhantes em algum óleo que você encontra mais facilmente no mercado.

Alguns usam óleo âmbar 68 vendido em tambores de 5 litros que deixa pouca patina de sujeira,embora não seja realmente para o uso temperado, mas óleo para encanamento de pressão.

Desligando a lâmina de endurecimento em óleo ou água? coltellimania.com

Vamos começar com o básico

O temperamento é obtido por choque térmico entre o aço vermelho-quente e um “refrigerante” que pode ser água de óleo ou ar.

Quanto mais frio o refrigerante, maior será a saliência térmica.

O óleo aquecido é preferido porque a saliência térmica é menor e diminui o risco de fraturas de aço e distorções da lâmina.

O óleo tem o risco de inflamar, então um óleo específico tem uma temperatura de combustão mais alta do que um de cozinha (é sempre aconselhável manter uma manta de fogo à mão), os líquidos em contato com a lâmina superaquecem, por sua vez dissipando o calor menos rapidamente.

Um óleo mais fluido (ou “mistura” com a lâmina) permite que a lâmina esteja em contato com líquido não aquecido.

Existem aços que tentam bem mesmo com ar forçado e alguns que você poderia endurecê-los em água gelada (como no filme The Hunted!), mas são técnicas que os fabricantes geralmente não praticam.

A escolha das condições de arrefecimento e endurecimento depende realmente de vários fatores, incluindo o tipo de aço, a forma da peça, as propriedades mecânicas desejadas e as habilidades do operador.

Aqui estão alguns dos principais pontos de resumo:

  1. Choque térmico: A intensidade do choque térmico, ou seja, a diferença de temperatura entre o aço vermelho-quente e o líquido de arrefecimento, afeta as propriedades finais do material. Mudanças de temperatura mais intensas tendem a produzir maior dureza superficial, mas podem aumentar o risco de deformação ou fissuração, especialmente em aços sensíveis.
  2. Riscos do óleo: O óleo aquecido é frequentemente preferido por sua intensidade moderada de choque térmico, o que pode ajudar a reduzir o risco de fraturas e deformações. No entanto, é importante se atentar ao risco de incêndio e, por isso, o uso de óleos específicos para têmpera com temperaturas de combustão mais altas é uma prática comum para reduzir esse risco.
  3. Ar forçado: Como você apontou, em alguns casos é possível usar ar forçado como refrigerante, mas é uma técnica menos comum e requer conhecimentos mais avançados das propriedades do aço e das condições de têmpera. O uso do ar pode resultar em mudanças de temperatura mais altas do que o óleo, o que pode afetar as propriedades do material.
  4. Especificações de aço: Diferentes tipos de aço têm diferentes comportamentos de endurecimento. Alguns aços podem ser endurecidos em água, enquanto outros requerem métodos mais moderados, como o óleo. O conhecimento das especificações do aço é essencial para alcançar os resultados desejados.

Finalmente, é importante enfatizar que o endurecimento é um processo crítico na produção de lâminas e ferramentas de corte, e requer uma combinação de habilidades técnicas, experiência e equipamentos adequados.

A segurança é sempre uma consideração fundamental ao trabalhar com altas temperaturas e substâncias inflamáveis, por isso é essencial seguir práticas de segurança adequadas, como o uso de óleos específicos para têmpera, a presença de extintores e mantas de incêndio e supervisão cuidadosa durante o processo.

Experimentos com barras de aço

Se você quer se divertir e realmente entender as diferenças faça um pequeno experimento.

Pegue 4 barras de aço iguais ao mesmo tamanho, leve-as à mesma temperatura e tente desligá-las:

  • água gelada,
  • água normal,
  • petróleo e
  • ar comprimido e chapas de aço.

Ps. Você também pode usar óleos diferentes para ver as diferenças também porque usando pequenas placas você não precisa usar grandes quantidades de óleo, etc. mas importante sempre trabalhar com segurança!

Em seguida, faça um encontrado no mesmo forno e na mesma duração e, em seguida, meça com o medidor duro a dureza obtida ou faça o teste de arquivo.

O momento da fundação da faca também é uma importante operação que elimina as tensões internas no aço causadas pelo choque térmico do desligamento.

O procedimento altera a estrutura da estrutura martensitária por meio do cancelamento, na medida do possível, tensões e fragilidade.

Para entender, no processo de remediação no estado endurecido o aço tem a máxima dureza que pode ser obtida, mas tem uma baixa dureza.

Por outro lado, o aumento da dureza diminui a dureza, portanto, dependendo do destino do uso da faca você tem que decidir as características que devem ter uma lâmina.

Você pode fazê-lo em um forno de cozinha normal: leve-o para 200 C e eu deixo a faca por 90 minutos, então, fora do forno, eu espero que esfrie naturalmente.

Mas, na realidade, cada aço tem sua própria temperatura ideal da fundação e, portanto, deve ser feito com um forno de endurecimento trazido à temperatura indicada nas folhas de dados para o tempo indicado.

A única maneira concreta de entender as diferenças é testar com amostras do mesmo tamanho em condições diferentes e medir a dureza obtida.

Alguma orientação geral

Em geral, o resfriamento do ar é válido para todos os líquidos inoxidos:

O objetivo é descer rapidamente abaixo de 200 graus Celsius dentro de 120 segundos do sorteio.

Quanto mais rápido você for e melhor você tem, mas geralmente você aproveita o resfriamento no ar porque, com o uso de placas de alumínio, você pode conter as deformações e recuperá-las parcialmente enquanto a peça ainda está quente, as recuperações restantes forçando o peça durante a fundação.

O ar forçado sem placas ainda pode introduzir deformações que ainda podem ser reduzidas com uma détente antes de trabalhar a lâmina.

Também para inserir a faca no forno

As teorias sobre assar são as mais variadas:

  • assado a frio,
  • hot-goer.

O cozimento, processo de inserção da faca no forno antes da têmpera, é outra etapa crítica na produção de facas e ferramentas de corte. Novamente, há opiniões e abordagens diferentes entre fabricantes e fabricantes de facas. As duas principais teorias são:

  1. Asse frio: Esta abordagem envolve inserir a faca no forno quando o forno ainda está frio ou a uma temperatura muito baixa. Dessa forma, a faca esquenta gradualmente junto com o forno à medida que a temperatura aumenta. O cozimento a frio é frequentemente preferido por aqueles que querem minimizar o risco de deformação da faca devido ao choque térmico e por aqueles que trabalham com aços sensíveis à temperatura.
  2. Assar quente: Alguns fabricantes preferem assar a faca quando o forno já está pré-aquecido à temperatura desejada para a têmpera. Este método pode ser usado quando um resfriamento mais rápido e maior choque térmico são necessários para alcançar certas propriedades do material.

A escolha entre cozimento a frio e cozimento quente depende de vários fatores, incluindo o tipo de aço, geometria da faca, propriedades desejadas e preferências do operador.

Algumas considerações a serem consideradas incluem:

  • Aços de alto carbono ou sensíveis à temperatura podem se beneficiar do cozimento a frio para reduzir o risco de deformação.
  • Aços de alta liga ou que exigem endurecimento mais rápido podem exigir cozimento a quente.
  • O cozimento a frio pode exigir um tempo de residência maior no forno para atingir a temperatura desejada, o que pode afetar o ciclo de trabalho geral.

Em última análise, a escolha entre cozimento frio ou quente depende das necessidades específicas do projeto e da experiência do artesão ou fabricante de facas.

É importante experimentar e adotar a abordagem que produz os resultados desejados em termos de dureza, resistência e forma da faca.

O tempo de rampa é crítico, por isso, se o forno não aumenta a temperatura a uma velocidade suficiente, a coisa não é boa para o material, se for muito rápido pode ser crítico por causa das geometrias das peças que assa e introduz rachaduras e/ou tensões…

O tempo para ficar na temperatura de austenização para aços amarrados “fala” de 0,8 s/mm de espessura, geralmente leva em conta 60 s/mm, então você tem que calcular sua caixa específica e paradoxalmente em 60″ a temperatura do coração já está atingida, mas também é verdade que no fio você tem 0,5 mm para que você tenha a escolha!

Deixe tempo para garantir que as transformações estejam completas e desligadas!

5 minutos geralmente é mais do que suficiente para 5 mm de espessura.

Em produtos de endurecimento doméstico, como produtos antidimensionados, são usados ou levam para evitar a descarbonização, e neste último caso, por exemplo, a lâmina deve ser inserida em Temperatura (T) não inferior a 600 graus C para que o forno seja condicionado.

Você está certo, ao realizar a têmpera caseira ou fabricação artesanal de facas, produtos como antiincrustação e condursal podem ser usados para proteger a lâmina da oxidação e descarbonetação durante o processo de aquecimento e têmpera.

Veja como esses produtos funcionam:

1. Antiescala: Aquecedores de escada são produtos químicos ou revestimentos aplicados à superfície da lâmina para protegê-la da oxidação durante o aquecimento. Esses produtos formam uma camada protetora na lâmina que impede que o oxigênio do ar reaja com o metal em altas temperaturas. As escadas ajudam a manter a composição química da lâmina intacta e evitam a formação de escadas ou crostas superficiais.

2. Condersal: Condursal é um produto usado para evitar a descarbonetação durante o aquecimento. A descarbonetação é a perda de carbono da superfície do metal devido à alta temperatura. O condusal cria um ambiente rico em carbono ao redor da lâmina, evitando a perda de carbono durante o aquecimento. Normalmente, o condursal é aplicado na lâmina antes do aquecimento, e a lâmina é então aquecida a temperaturas acima de 600°C para garantir que o conducsal tenha o efeito desejado.

O uso de escada e condução é comum na fabricação de facas artesanais, principalmente quando se trabalha com aços de alto carbono.

Esses produtos ajudam a garantir que a lâmina mantenha sua composição química e propriedades durante o processo de têmpera.

É importante seguir as instruções do fabricante para a correta aplicação e uso desses produtos para alcançar os melhores resultados possíveis.

No entanto, é fundamental atentar para a segurança durante o processo de aquecimento e endurecimento, pois envolve temperaturas muito altas.

O manuseio adequado dos materiais e o gerenciamento da temperatura são essenciais para garantir a segurança do operador e a qualidade da faca acabada.

A imersão no líquido da faca

Também ao fazer a operação de imersão da lâmina no líquido existem vários métodos!
Depois de mergulhar a faca na água ou óleo é necessário movê-la vigorosamente do fundo para afastar a tensão a vapor que aderindo às paredes da faca evitaria o resfriamento.
Ou mergulhar calmamente a faca em água ou óleo (é claro que sempre se lembre de trabalhar com segurança usando luvas, um alicate adequado, copos de proteção, etc. mas não mergulhando imediatamente toda a faca, mas apenas o lado inferior do fio da lâmina e o Deixo parcialmente submerso por alguns segundos (contagem 1001, 1002), então puxo a faca e imediatamente mergulho novamente, mas desta vez completamente, movendo-a continuamente em uma direção horizontal.
Este procedimento de movimento horizontal distancia muito o risco da faca desinformar durante o desligamento, e notei que muitos fabricantes usam esse movimento em comparação com o mergulho profundo verticalmente.
Pessoalmente, acho absolutamente tentar e parece dar bons resultados.
Uma vez que a faca é desligada, você deixá-la submersa e descansar no óleo ou água esperando para fazer o re-encontrado.
Como você pode ver há aqueles que fazem a imersão total da faca, há aqueles que fazem a imersão parcial da lâmina antes do fio e, em seguida, totalizam, aqueles que mergulham e a movem verticalmente e aqueles que a mergulham e a movem horizontalmente.

No final desta operação a faca está bem suja!

Essa sujeira é eliminada pela limpeza por papel abrasivo se não houver sinais profundos de descarbonação (série de pequenas cavidades irregulares na superfície do metal) começando com o grão 240 até chegar a 800 ou mais (isso de acordo com o quanto você desejo brilhante).
Em casos de descarbonização óbvia, começo de papel maior (60 ou 90) para eliminá-lo mais facilmente, mas significa que houve algum problema e talvez tudo seja para ser refeito.
Também no que diz respeito ao “doce” com o inconel,onde alguns fabricantes mergulham a lâmina brilhante extraindo-a do doce ou quem o mergulha diretamente com o doce!

Inconel “doce” é um termo que se refere a uma técnica de têmpera usada na fabricação de facas, particularmente quando se trabalha com aços inoxidáveis como Inconel.

Esta técnica pode ser usada para melhorar as propriedades da faca, especialmente resistência à corrosão e dureza.

O “doce” com Inconel envolve aquecer a faca em um forno em altas temperaturas, muitas vezes excedendo 1000°C, e depois envolver a lâmina em uma folha fina de Inconel.

O Inconel atua como um revestimento protetor para a lâmina durante a têmpera.

Este revestimento evita que o oxigênio entre em contato com a superfície da faca durante o resfriamento, reduzindo assim a formação de óxidos e melhorando a resistência à corrosão.

Depois que a lâmina é aquecida e coberta com Inconel, ela é posteriormente endurecida resfriando-a rapidamente em água ou óleo, dependendo das especificidades do processo.

Este resfriamento rápido dá à lâmina a dureza desejada.

O “doce” com Inconel é uma técnica avançada que requer equipamentos especializados e habilidades específicas.

É usado principalmente quando se trabalha com aços inoxidáveis de alto desempenho, como o Inconel, para obter facas que têm excelentes propriedades anticorrosivas e, ao mesmo tempo, são muito duras e afiadas.

Se você não quer usar óleo, por todas as razões que você leu e que eu trouxe de volta para você, você pode tentar desligá-lo entre as placas de alumínio devidamente resfriados por ar comprimido, mas a faca deve ser de espessura modesta.
Este método é usado com alguns aços particulares (alguns aços inoxidável e alguns aços feitos de metalurgia em pó) que são precisamente resfriados com ar comprimido e a lâmina estreita entre duas grandes placas de alumínio para aumentar a troca de calor.
Faça testes!
Desligando a lâmina de endurecimento em óleo ou água? coltellimania.com

Conclusões

Em conclusão, a fabricação de facas é uma arte que envolve uma série de processos críticos, incluindo o endurecimento, que ajudam a definir as propriedades e o desempenho da faca acabada.

A escolha dos métodos de endurecimento, refrigerantes, revestimentos protetores como Inconel e tempos de têmpera depende das necessidades específicas da aplicação, do tipo de aço e das preferências do artesão ou fabricante.

A segurança é primordial em todo o processo, dadas as altas temperaturas envolvidas.

Conhecimento e experiência em endurecimento de facas são essenciais para obter lâminas de alta qualidade que sejam afiadas, duráveis e resistentes à corrosão.

A experimentação contínua e a adaptação de técnicas de endurecimento de acordo com necessidades específicas são características essenciais dos mestres cuteleiros e artesãos envolvidos nesta fascinante arte.

Em resumo, o endurecimento de facas é uma parte crucial do processo de fabricação que combina a ciência dos materiais com a arte do artesanato para criar ferramentas afiadas e funcionais que atendam às necessidades de uma ampla gama de aplicações.

Meu conselho é fazer testes e conversar com pessoas que se expressam sobre tratamentos térmicos porque você tem que encontrar a melhor solução para o tipo de objeto.

Existem muitos métodos, mas a metalurgia é uma ciência empírica baseada em tabelas e práticas.

Os testes podem ajudá-lo a entender as diferenças, mas também para obter o melhor resultado para suas lâminas, porque o endurecimento de facas é um passo fundamental que afeta fortemente a qualidade da faca e seu desempenho.

Você tem experiência?

Andrea


Se você gostou do que leu e foi útil para você antes de sair da página compartilhe o artigo através dos botões sociais que você vê no topo e comente. Muito Obrigado!

Importante! Ainda peço um pouco de esforço, mas para mim é útil para o projeto, clique como na página do Facebook e no Instagram Channel.



Like it? Share with your friends!

156
Andrea F

Maker and Enthusiast of Knifemaking. Other: Engineer / Professional Blogger / Bass Player / Instructor of Boxing / Muay Thai / Brazilian Jiu Jitsu / Grappling / CSW / MMA / Self Defence / FMA / Dirty Boxing / Silat / Jeet Kune Do & Kali / Fencing Knife / Stick Fighting / Weapons / Firearms. Street Fight Mentality & Fight Sport! State Of Love And Trust!

0 Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!